Dia das Crianças: 5 dicas para ensinar  Educação Financeira aos filhos

Dia das Crianças: 5 dicas para ensinar Educação Financeira aos filhos

Neste mês de outubro, em que se comemora o Dia das Crianças no dia 12, nós da Unit, acreditamos que mais importante que pensar em quais presentes você vai dar para seu filho, é começar a pensar sobre pequenos passos para educá-lo financeiramente.

Ações simples podem resultar em grandes benefícios para a vida financeira da criança futuro e é com o auxílio da família em casa e nas compras que as crianças começam aprender a lidar com os problemas e as frustrações de não poder ter tudo que querem, bem como o valor das coisas, do trabalho e as suas responsabilidades.

Por isso preparamos 5 dicas importantes para ajudar você, pai e/ou mãe com essa tarefa de educar financeiramente o seu filho. Sempre bom lembrar também que a influência dos pais nas atitudes dos filhos é o principal ensinamento que ele pode adquirir.

1. Estabeleça uma mesada.

Deixar os filhos administrarem o próprio dinheiro contribui para que aprendam mais sobre gastos e impulsos e deem mais valor ao que possuem. Por isso, estabeleça, desde cedo, uma mesada para a criança. Além disso, planeje aumentar o valor ano a ano caso ela consiga administrar os gastos corretamente.

Também é importante estimular a criança a poupar a mesada para realizar os próprios sonhos, oferecendo objetivos claros e realizáveis para ela. Incentive que elas levem o dinheiro para pagar a compra do presente de Dia das Crianças e de outras datas, e deixe que recebam o troco do caixa.

São ações simples que ajudam os pequenos a se interessarem pelo mundo financeiro e fazem com que eles se sintam importantes e responsáveis pelas próprias ações.

2. Tenha o hábito de conversar sobre finanças com a criança

Conversar sobre as finanças da casa em família e com os filhos é uma das dicas mais importantes que podemos passar. Quando as crianças participam deste momento, elas entendem as dificuldades que os pais e/ou responsáveis financeiros enfrentam no dia a dia para manter tudo em casa em ordem.

Compreender a importância e o valor do dinheiro, quanto custa cada produto e serviço que temos em nossas casas e a importância do trabalho para adquirí-los é essencial para a maturidade financeira da criança.

Crie o hábito de sempre conversar e explicar de uma maneira simples. Como as crianças aprendem brincando, aposte em brincadeiras com números e desafios.

3. Incentive-o a participar do planejamento financeiro da família e da casa

Convide o seu filho para participar do planejamento das compras do dia a dia. Antes de ir ao supermercado, peça para que ele olhe na dispensa os produtos que estão faltando e anote o que precisa ser comprado, fazendo uma lista de prioridades.

Depois de ter a lista pronta, leve-o às compras com vocês e mostre as diferenças de preço e produtos. Isso é importante para que ele entenda que existe um processo de planejamento com aquele dinheiro, e não simplesmente sair comprando tudo que está na prateleira.

Mostre também que além das compras no supermercado, tem as contas de energia, água, internet, televisão, escola e etc. Quanto mais ele entender que tudo tem um preço, mais valor ele dará às coisas da casa e da família.

4. Estimule-os a poupar as mesadas

Os pais devem deixar que os filhos possam decidir o que fazer com o dinheiro recebido, porém, é essencial que mostre para eles a importância de poupar. Ensine que é essencial ele guardar ao menos uma parte da mesada para algum objetivo ou sonho.

Uma boa sugestão é incentivar o seu filho a sempre registrar os gastos dele. Ele pode anotar ou até mesmo desenhar o que comprou, o valor que foi pago e quanto sobrou naquele período.

Os pais podem mostrar também para os filhos que, se eles conseguirem poupar uma parte do dinheiro recebido da mesada por certo tempo, poderá utilizá-lo para comprar coisas de maior valor no futuro. Coloquem isso no papel juntos, e estabeleça aumentos na mesada caso conquistem os objetivos!

5. Dê mesadas e estimule a poupar de acordo com a periodicidade e idade recomendada

Os especialistas em educação financeira infantil recomendam que entre 6 e 12 anos, a melhor forma é introduzir o dinheiro em espécie, dando “semanadas” e estabelecendo um local apropriado para guardar o dinheiro recebido.

Crianças nessa idade ainda não tem o pensamento abstrato desenvolvido. É difícil para elas entenderem o limite do cartão, diferente das cédulas ou moedas que conseguem ter a noção de quantidade.

O valor recomendado é R$ 1,00 multiplicado pela idade da criança, ou seja, uma criança de 6 anos deve receber R$ 6,00 semanalmente. Porém, quanto mais responsabilidades elas tiverem com o dinheiro, maior deve ser a quantia. Ou seja, se elas pagam o lanche na escola ou o sorvete no shopping, por exemplo, devem receber quantias proporcionais.

Crianças entre 12 a 16 anos

Nessa fase, eles já têm a percepção de tempo e já têm mais responsabilidades na vida pessoal, então chegou o momento de passar a dar mesadas para que eles aprendam a controlar as despesas por 30 dias.

Determine um dia do mês para pagar a quantia e faça isso pessoalemnte. É interessante que seja próximo a data de pagamentos dos pais, para que compartilhem as experiências de receberem o dinheiro juntos.

Estimule seu filho a poupar uma parte do valor para gastos emergências ou planejamentos futuros, a curto ou longo prazo, como a compra de um brinquedo ou uma viagem com os amigos.

Entre 16 a 18 anos de idade

Como falamos anteriormente, o uso do cartão está crescendo cada dia mais. A substituição do dinheiro pelo plástico é inevitável e nessa fase pode ser (se o jovem apresentar responsabilidade financeira e supervisionado pelos pais) um bom momento para dar um cartão para seu filho.

No Brasil, menores de idade não podem ter cartão de crédito próprio (a não ser que sejam emancipados), mas existem algumas alternativas para os jovens.  Os cartões pré-pagos ou adicionais.

E então, se sente pronto para implementar esses hábitos de educação financeira infantil na sua casa? Sempre há tempo para começar, e quanto mais cedo, mais chances dos filhos atingirem o sucesso financeiro na vida adulta. Confira mais publicações em nosso blog.

Por Gabriel Harchbart Dias
Head da Unit Educação

Deixe uma resposta

Fechar Menu